A plataforma InfoAmazonia, pioneira no uso de dados de satélites em reportagens, está trazendo uma nova fonte a sua cobertura: observações a partir do solo.

O site irá reunir e compartilhar informações de pessoas que vivem e trabalham na Amazônia, incluindo “as comunidades indígenas, pesquisadores, ONGs, estudantes e cidadãos engajados que atuam nas redes sociais”, disseGustavo Faleiros, o jornalista de dados que fundou o site. Estas reportagens mostram como os “dados de satélites no céu se relacionam com a realidade no terreno.”

4126205359_db05336234“A perspectiva da observação humana [aumentará] a precisão dos dados fornecidos pelo satélite”, disse Faleiros, que dirige o InfoAmazonia como parte de sua bolsa do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ. “Acreditamos que trazer informações do cidadão para a plataforma irá acrescentar profundidade e contexto aos dados que obtemos por sensoriamento remoto.”

Por exemplo, quando a InfoAmazonia atualiza seu mapa de desmatamento na região, com dados novos dos satélites, as comunidades nas regiões afetadas podem verificar as novas informações e ajudar a explicar a situação.

“Satélites mostram um monte de coisas, mas não dizem as razões pelas quais uma área foi desmatada”, disse Faleiros. “Está sendo usada agora para pecuária ou mineração? Você pode adivinhar com base em sua experiência, mas a verdadeira história, os personagens envolvidos, a dimensão humana vão surgir a partir das reportagens do terreno.”

Para que isso aconteça, a InfoAmazonia está criando parcerias com ONGs dos nove países da região da floresta amazônica. A iniciativa de crowdsourcing tem apoio financeiro das fundações Avina e Skoll. Juntas, elas estão doando US$114.000 para a InfoAmazonia construir aplicativos que permitem reportagens de cidadão, compartilhamento de dados e verificação de fatos.

O Laboratório de Inovação em Jornalismo Ambiental ((o))ecoLab, que também foi fundado por Faleiros como parte de sua bolsa Knight, vai construir as funções de crowdsourcing. (O laboratório faz parte da organização matriz da InfoAmazonia, o site de notícias ambientais O Eco).

Desde o seu lançamento em 2012, a InfoAmazonia construiu 18 mapas diferentes que, juntos, mostram 12GB de dados geográficos, incluindo desmatamento e áreas protegidas. Você pode acessar os mapasaqui.

Por enquanto, a InfoAmazonia tem contado com organizações de notícias parceiras para adicionar contexto aos dados de satélite mostrados nos mapas. Até o momento, o site agregou 1.300 matérias, que estão com geotags de todo os nove países da região amazônica. O site vai continuar a puxar notícias, enquanto as novas reportagens por crowdsourcing irão adicionar ainda mais contexto. Você pode pesquisar as notícias por assunto aqui.

No vídeo abaixo, alguns dos parceiros da InfoAmazonia mostram como usam as visualizações do site.

No ano passado, ((o))ecoLab lançou a plataforma JEO, que alimenta a InfoAmazonia. JEO é um tema de fonte aberta, e ((o))ecoLab faz parcerias com outras organizações que pretendem lançar seus próprios sites de geojornalismo, como o Oxpeckers Center, que acompanha a caça ilegal de rinocerontes na Africa do Sul e o site Ekuatorial, que informa sobre a a mudança climática na Indonésia.

Se você estiver interessado em colaborar com a InfoAmazonia ou criar seu próprio projeto com JEO, entre em contato com Faleiros e sua equipe.

O conteúdo de inovação de mídia global relacionado aos projetos e parceiros do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ na IJNet é apoiado pela John S. and James L. Knight Foundation.

Imagem cortesia de Zack Lee sob licença CC no Flickr.